Portal do Consumo Responsável e Aplicativo Responsa

O Portal do Consumo Responsável junto com o aplicativo Responsa permitem encontrar lugares para a prática do consumo responsável, como restaurantes que usam ingredientes orgânicos, feiras de produtos justos e orgânicos, hortas comunitárias, grupos de consumo responsável e outras experiências de agroecologia e economia solidária.

Rede Brasileira de Grupos de Consumo Responsável

A Rede Brasileira de Grupos de Consumo Responsável reúne e articula, em todo o país, iniciativas de consumidores organizados para acessar produtos que estejam alinhados com seus valores, representando uma alternativa aos principais canais de comercialização do mercado. O consumo responsável é o conjunto das práticas e reflexões que buscam transformar o ato de consumir em um ato político e cidadão. É importante levar em conta, por exemplo, o tipo de sistema de produção (familiar, da economia solidária, local, etc.), as condições trabalhistas, a relação com o meio ambiente, o número de intermediários entre produtor e consumidor final, a remuneração de cada ator ao longo da cadeia produtiva, e, ainda, a distância geográfica percorrida e a forma de transporte. Se preocupar com a origem e os meios de produção daquilo que consumimos é um exercício diário de reflexão, mas também de mudança de hábitos.

Banco Comunitário de Sementes Crioulas

O Banco de Sementes Crioulas da comunidade Cabaceiras nasceu a partir das ações da ASA no âmbito do programa P1+2, financiado pela Fundação BB e pelo projeto de ATER, executados pelo SERTA. A cultura de guardar sementes é uma prática comum dos agricultores da localidade, porém, infelizmente, estava ficando desvalorizada, ou algumas variedades já estavam se perdendo. Além de trabalhar com o resgate das variedades, práticas de conservação e estocagem, o patrimônio histórico das sementes para a humanidade, também trabalhou-se a gestão e a construção de um banco de sementes através das práticas da bioconstrução. Toda construção foi discutida e planejada com o grupo desde a confecção dos tijolos até a pintura. Essa tecnologia foi criando forma e teve também o apoio do Programa Sementes do Semiárido.

Frutos da Agrofloresta

O Projeto Frutos da Agrofloresta, patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental, apoiou famílias agricultoras em comunidades quilombolas e assentamentos de reforma agrária para a geração de renda através do processamento e comercialização da produção agroflorestal.

Juventude Camponesa Protagonista da Comunicação

Jovens camponeses têm trabalhado com a proposta do audiovisual como ferramenta de construção identitária e de sistematização de experiências, resgate de cultura e luta por direitos. Nesse contexto, curtas-metragens estão sendo produzidos pela própria juventude que tem abordado temas de resgate cultural, leitura crítica da mídia hegemônica, valorização das sementes animais e vegetais, além de sua conservação e, por fim, a luta por direitos conquistados.

Construção Participativa da Lei Municipal – Alimentos Orgânicos na Escola

A construção participativa da Lei Municipal 16.140/2015 de São Paulo que dispõe sobre “a obrigatoriedade de inclusão de alimentos orgânicos ou de base agroecológica na alimentação escolar no Sistema Municipal de Ensino de São Paulo” e de seu Decreto de Regulamentação 56.913/2016, envolveu a sociedade civil, o poder executivo, com a participação da Secretaria de Educação, Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, da Secretaria da Saúde e da Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo, o poder legislativo municipal e também contou com o apoio do governo federal, através do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).

Rede Cooperativa de Mulheres Empreendedoras

Criado em 1997, o programa acolhe empreendimentos de diferentes atividades econômicas, tais como culinária, artesanato, costura, reciclagem, serviços. Por meio de reuniões mensais, realizadas toda última quinta-feira do mês, busca o estímulo ao desenvolvimento de um espaço de troca, articulação e empoderamento, onde se estabeleçam laços de parcerias e intercâmbios com o compartilhamento de informações, formação, assessoria e divulgação, além de possibilitar a organização do trabalho para escoamento da produção de forma partilhada, presentes nas ações de valorização e respeito à diversidade nas questões de gênero, etnia, orientação sexual, origem geográfica, direitos humanos, cidadania e a sustentabilidade como uma prática cotidiana e de responsabilidade individual.

Pólo da Borborema – Intercâmbio de técnicas entre agricultores do semiárido

O Programa de Desenvolvimento Local do Agreste da Paraíba, gerido pela organização AS-PTA, concentra sua ação em 15 municípios compreendidos pela área de abrangência do Polo Sindical e das Organizações da Agricultura Familiar de Borborema. A estratégia do programa está orientada para o aprimoramento das capacidades técnicas, metodológicas, socio-organizativas e políticas das organizações vinculadas ao Polo para que formulem, defendam e executem um projeto de desenvolvimento rural local baseado nos princípios da sustentabilidade socioambiental agroecológica.