Banco Comunitário Inkiri

Instituto Inkiri

Comunidade Intencional Inkiri Piracanga

Sem Imagem

O Banco Inkiri é um banco comunitário idealizado pelos moradores da comunidade intencional Inkiri Piracanga, região de Itacaré, no sul da Bahia. A comunidade, que atualmente desenvolve 25 diferentes projetos em temas como autoconhecimento, natureza, alimentação, crianças, criatividade, arte e comunidade, resolveu também criar um sistema econômico autônomo. O banco foi responsável por fortalecer a economia da comunidade, por administrar os fundos dos projetos comunitários, intermediar as transações entre os projetos e administrar a moeda Inkiri, a moeda local e complementar ao Real. Além disso, o Banco Inkiri apoia a criação de novos projetos e fortalece os que já existem.

Contato

Telefones: (71) 3512-6556 /

Endereço: Praia do Piracanga, S/N

Site: piracanga.com

E-mails: contato@inkiri.com

Descrição

Os Inkiri$ foram criados em um momento em que o sistema econômico de Inkiri Piracanga estava sendo revisado. Durante as pesquisas, foi identificado que uma moeda complementar poderia fazer sentido para a realidade da comunidade. Implantada no segundo semestre de 2016, a partir de quatro encontros, a moeda nasceu com valores vinculados a conceitos espirituais da comunidade e com a proposta que pudesse estimular a economia local e os dons e talentos desenvolvidos pelas pessoas nos projetos de Inkiri Piracanga.

A Moeda Inkiri começou por alguns meses a ser introduzida no mercado local com uma pequena quantidade do pagamento dos apoiadores dos Projetos Inkiri sendo feita na moeda.
Em sua segunda fase de implementação e expansão, os Inkiri$ passaram a ser aceitos por parceiros locais, como as feiras que atendem a ecovila três vezes por semana, e já começaram a ser utilizados por alguns estabelecimentos comerciais de Itacaré. Nesta nova fase, a Casa Inkiri realizou rodas de conversa sobre a moeda. Os envolvidos retiram dúvidas, levantam novos questionamentos e aproximam o debate com a comunidade com o intuito de sanar possíveis dificuldades e fortalecer os Inkiri$ como a moeda comunitária.
Hoje em dia, a moeda já se consolidou para uma fase em que todos recebem 100% em Inkiri$ (ik$). Os apoiadores podem tanto sacar os Inkiri$ em espécie e utilizar nas compras locais, como pedir transferência para os seus bancos pessoais para gastos que sejam necessários no mercado externo.

Para existir, o Inkiri conta com um lastro (uma reserva em Reais) que corresponde a 100% do valor dos Inkiris em circulação. Isso garante a credibilidade e a sustentabilidade financeira da moeda. As moedas locais, ou comunitárias, – como é o caso dos Inkiri$ – funcionam como uma moeda complementar ao Real e só têm valor dentro de uma rede específica. Mas usá-las no dia a dia é incentivar e contribuir para o desenvolvimento local e a realização de sonhos coletivos.

Objetivos

Diferente de um banco comum, que canaliza o dinheiro somente para projetos que vão gerar mais dinheiro, independentemente do impacto que a atividade terá na sociedade e no meio ambiente, o papel do banco comunitário é de atuar no sentido de não incentivar o acúmulo de dinheiro e sim sua circulação, apoiando os projetos que vão beneficiar mais a comunidade e a economia local. Nesse sentido, a moeda Inkiri surgiu com as propostas de:
• ampliar as possibilidades de troca na economia local;
• valorizar os dons e talentos individuais e coletivos;
• reforçar as relações humanas e os laços comunitários;
• estimular a circulação da energia de criação de novos projetos.

Público-alvo

Comunidade local de Piracanga

Resultados

O modelo de funcionamento da moeda local segue em constante transformação, buscando ressignificar as relações com o dinheiro, retomá-lo como um símbolo de gratidão e de energia de criação, gerando verdadeira abundância e aproximando as pessoas. Além disso, percebeu-se o aumento da segurança para moradores e visitantes da comunidade, pois casos de furto e roubo perderam o sentido já que a moeda circulante só é válida na rede e não tem valor para quem não participa da economia local.

Imagens